• Poluição do ar
    Os combustíveis fósseis não apenas aceleram as mudanças climáticas, mas também poluem o ar que respiramos. A queima de petróleo e carvão libera dióxido de carbono junto com uma série de outros poluentes. Gases como óxidos de nitrogênio e ozônio enchem o ar circundante e pequenas partículas penetram profundamente em nossos pulmões. Os impactos em nossa saúde são profundos, incluindo problemas respiratórios, doenças cardíacas e expectativa de vida reduzida. O chefe da Organização Mundial da Saúde chamou a poluição do ar de "o novo tabaco", embora tenha observado que você pode se afastar da fumaça do cigarro. Por outro lado, quando sua casa ou escola é cercada por poluição do ar, não há como escapar. Quase metade de todos os veículos nas estradas funcionam com diesel. Costumava ser visto pelo governo como um combustível mais ecológico que a gasolina, porque libera menos dióxido de carbono. Como resultado, incentivos para veículos a diesel nos incentivaram a comprá-los. No entanto, sabemos agora que essas alegações foram exageradas pelos fabricantes de automóveis. Além disso, simplesmente mudar de um combustível fóssil para outro ignora o fato de que precisamos parar de queimar completamente. Além disso, os carros a diesel produzem mais poluição por dióxido de nitrogênio (NO2). A maioria das áreas urbanas do Reino Unido possui níveis ilegais de poluição por NO2, que podem prejudicar o desenvolvimento pulmonar em crianças.
    2 de 100 Assinaturas
    Criado por Slava Digriz Picture
  • Parque do Limão Já!!
    No terreno mencionado há uma área onde se localizava a Associação Atlética Matarazzo que se encontra numa região que carece de opções de lazer, esporte, cultura e áreas verdes. Além de estar localizado em frente à ZEIS (Zona Especial de Interesse Social) Samaritá, que não tem uma oferta de lazer acessível quase inexistente, então o parque seria uma mudança extremamente positiva na vida dessas pessoas. Somado à isso o impacto no trânsito da região seria enorme, e a proximidade com a ponte do limão, uma das principais vias de saída da zona norte para o eixo centro, zona sul, zona oeste, que já sofre diariamente com forte tráfego iria prejudicar dezenas de milhares de pessoas que passam pela região diariamente, alem do impacto direto na vida dos moradores da região próxima, que já enfrenta uma saturação diária em trânsito. A destinação pretendida pretendida para este empreendimento é uma perda para a comunidade local, contra a cidade e contra o meio ambiente. Temos o dever de conservar esta área, o dever de preservar as áreas verdes existentes e não permitir a criação de uma monstruosidade desta. A Constituição Federal assegura que a propriedade deve cumprir sua função social. Então, reivindicar que essa área seja revertida para o uso comum da sociedade, para melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e das futuras gerações eh um ato de cidadania ! Parque do Limão Já !!!
    182 de 200 Assinaturas
    Criado por Marisa Auxiliadora Rossetto
  • Lei da Compostagem
    Os resíduos orgânicos representam cerca de 50% de tudo que produzimos e descartamos. Se nós pensarmos em mandar nosso resíduo para composteira, pois só assim evitaremos que se misture tudo que vai para o aterro sanitário onde acontece o processo de fermentação natural que libera gases como metano, amônia e enxofre, responsáveis pelo mal cheiro. Se pensarmos em termos composteiras vamos acabar com este problema. Todos querem reciclar ... Mas precisamos entender que nosso resto de comida não é lixo. O nosso resíduo orgânico VOLTA COMO ADUBO. POR ISSO É TÃO IMPORTANTE A LEI DA COMPOSTAGEM EM FOZ DO IGUAÇU. PEÇO SUA AJUDA.. ASSINE! O NOSSO MEIO AMBIENTE PRECISA DA NOSSA COLABORAÇÃO. #COMPOSTAFOZ
    10 de 100 Assinaturas
    Criado por Composta Foz Picture
  • SOS MEIO AMBIENTE - ESPÍRITO SANTO
    Além do desmatamento indiscriminado que tem agredido flora e fauna, há indícios de assoreamento de braços do manancial local. E as comunidades em torno da empresa já começam a sofrer as consequencias.
    2 de 100 Assinaturas
    Criado por Rafael Nunes
  • Estrada em Parque nacional NÃO!
    De todo área original de Mata Atlântica apenas 8,5% resta hoje, o Parque Nacional do Iguaçu e o maior fragmento desse Bioma, criado em 1939 esse parque protege uma riquíssima biodiversidade das quais algumas ameaçadas de extinção como a onça-pintada, puma, jacaré-do-papo-amarelo, harpia, peroba-rosa, araucária, além de muitas outras especies de revelante interesse biológico e cientifico. "Essa expressiva variabilidade biológica somada à paisagem singular de rara beleza cênica das Cataratas do Iguaçu, fizeram do Parque Nacional do Iguaçu a primeira Unidade de Conservação do Brasil a ser instituída como Sítio do Patrimônio Mundial Natural pela UNESCO, no ano de 1986." A estrada conhecida como "Estrada do Colono" e uma rodovia que liga a cidade de Serranópolis do Iguaçu a Capanema, ela corta ao meio o Parque Nacional do Iguaçu, os danos da Fragmentação de Habitat e conhecido por qualquer estudioso da área ambiental, alem de diminuir a área total original causa o aumento considerável do conhecido "efeito de borda" onde se muda toda diversidade de especies de uma areá, os efeitos disso no ecossistema e inestimável, a ação se potencializa quando se leva em conta que a estrada corta o parque literalmente ao meio, criado dois fragmentos distintos. Em 2003 depois de muita pressão de ambientalistas a estrada foi fechada definitivamente, porem agora em 2019 as discussões foram reabertas, audiências publicas foram feitas nas cidades da região, porem nesses debates nem um especialista ambiental foi convidado, somente políticos levando em consideração o possível "desenvolvimento econômico" da região, tendo como principal argumento o fato do fechamento da estrada aumenta a distancia entre ambas as cidades, sem nem mesmo um estudo do impacto ambiental que a reabertura causaria no parque. Outro fato aumenta a preocupação, hoje no Brasil por lei as chamadas "estrada parques" são proibidas já que no inciso III do Art. 225 da constituição federal "proíbe a alteração e supressão dos espaços territoriais especialmente protegidos, salvo por meio de lei, bem como a sua utilização de modo a comprometer a integridade de seus atributos", ou seja, uma mudança na lei para a criação dessas estradas devera acontecer, o que abre espaço para criações iguais em outras áreas de preservação em todo território nacional. Em ressalva ainda coloco em consideração um das principais riscos a fauna brasileira, a caça ilegal, com uma estrada dando acesso ao interior do parque me parece obvio que sera de fato bastante benéfica para os caçadores se aventurarem ainda mais dentro da área de conservação. Lembrando que todos os argumentos a favor da reabertura se torna incrivelmente rasos dentro do risco a esse bioma já tao degrado, a cidade de Capanema não ficou de forma alguma isolada, tendo outros acessos para o resto do estado. Cabe a pergunta: o ganho Econômico vale o risco a biodiversidade do local?
    29 de 100 Assinaturas
    Criado por Jéssica Magalhães Cruzeiro Picture
  • JUNTOS CONTRA AS QUEIMADAS
    Mostre que você se importa com o futuro da nossa floresta, o trabalho ainda não acabou e você pode ajudar assinando esse abaixo-assinado, e compartilhando para mais pessoas junto com você fazer a diferença!
    11 de 100 Assinaturas
    Criado por Ilmara Pereira dos Santos
  • Um futuro 100% Limpo em São Luís
    A Amazônia está virando fumaça. A Groenlândia está derretendo. E agora as Bahamas foram devastadas por uma tempestade monstruosa! Em São Luís, precipitações em grandes volumes num só dia. As mudanças climáticas não são uma ameaça distante. Elas estão acontecendo agora. Pedimos o necessário pelo Clima: • Queremos investimentos na produção de energias limpas, renováveis e alternativas em nossa cidade; • Melhorar a educação, visando o empoderamento da população sobre o tema, visando montar estratégias que combatam as mudanças do clima; • Industrias que não poluam nosso ar; • Transportes públicos e privados que emitam zero de carbono; • Fomentação de energia para a cidade que usem, por exemplo, a força motriz do sol e/ou do vento; • Programas que assistam os mais necessitados; • Plano emergencial para nosso litoral visando preparo paro elevação do nível do mar; • Entre outras soluções que nos deixem confortáveis com o clima. Pense nos seus filhos e netos, que planeta quer deixar para estes? Estamos aqui pedindo ações que serão úteis para nós (sociedade contemporânea), vivermos em harmonia em nossa casa: A TERRA, e pensando também nas futuras gerações para que estas olhem para o passado e vejam que fizemos a coisa certa pelo Planeta. Segundo a Organização das Nações Unidas – ONU é de responsabilidade de todas as nações “tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos.” (Objetivo 13. Objetivo do Desenvolvimento Sustentável – ODS, 2015) Estamos hoje em Greve pelo Clima, e estaremos até que vossas senhorias tomem medidas que colaborem para que o Clima do Planeta Terra não entre em colapso por nossa culpa. Pedimos que nos recebam para um diálogo saudável em busca de soluções para todos nós em prol do Planeta, Respeitosamente, População da Terra População do Maranhão População de São Luís. Movimento Organizado por: Greenpeace São Luís, Engajamundo e outros parceiros.
    6 de 100 Assinaturas
    Criado por Denison Ferreira Picture
  • Galeria Amazônia - projeto de lei de incentivo:
    Para gerar a conscientização sobre a situação atual de nossas florestas e principalmente oferecer a população local informação sobre a preservação ambiental.
    4 de 100 Assinaturas
    Criado por SUELI PARISI
  • Novos métodos energéticos sim!
    Reduziria uma serie de impactos ambientais como redução de aterros ,qualidade da água ,poluição do solo ar e agua .E o mais importante ,uma alternativa para fins energéticos como biodiesel .
    5 de 100 Assinaturas
    Criado por William de Oliveira
  • stop the amazon fires
    https://www.youtube.com/watch?v=ZcpTItHy0t4
    4 de 100 Assinaturas
    Criado por jeanne adriaan
  • stop the amazon fires
    https://www.youtube.com/watch?v=ZcpTItHy0t4
    5 de 100 Assinaturas
    Criado por jeanne adriaan
  • PAREMOS NUEVOS ASENTAMIENTOS DE COLONOS Y DEFORESTACION EN LOS BOSQUES CHIQUITANOS
    El Bosque Seco Chiquitano es el bosque seco tropical más grande y aún mejor conservado de Sudamérica; y uno de los pocos que quedan en el mundo. Se encuentra casi en su totalidad en Bolivia, y la mayor parte, en Santa Cruz. Ubicado en una de las últimas regiones forestales tropicales secas no sólo de Bolivia, sino de toda la América del Sur, el bosque Chiquitano es valioso por su ecología única y por su importancia histórica y cultural. La ecorregión está habitada por alrededor de 180 000 personas, incluyendo las nacioneos indígenas representados por la Chiquitana y la Ayoreode, que suman unas 22 000 personas en 124 comunidades. En esta ecorregión existen tres áreas protegidas municipales que suman 410 000 ha y 40 620 ha de reservas privadas de patrimonio natural. El bosque ha sido clasificado como bosque seco chiquitano según el sistema Holdridge. Se han identificado alrededor de 115 especies de árboles con diámetro mayor a 1 dm . Las especies más abundantes: Acosmium cardenasii, Casearia gossypiosperma, Caesalpinia pluviosa, Neea cf. steinbachii, Machaerium acutifolium, Anadenanthera macrocarpa, Piptadenia viridiflora y Centrolobium microchaete. La diversidad de especies por hectárea es de 52. El dosel es bastante abierto, alcanza una altura de 18 m, con árboles emergentes de hasta 25 m de altura. La densidad de individuos con diámetro mayor a 1 dm es de 420 ha, y el área basal es de 18,3 m²/ha Las lianas son una forma de vida muy común en el bosque. Alrededor del 60 % de los árboles con diámetro mayor a 1 dm tiene algún grado de infestación de bejucos. El sotobosque es muy denso, con una gran abundancia de arbustos y lianas. Ciertas partes del sotobosque está dominado por una bromelia terrestre rizotomosa, Pseudoananas sagenarius, que puede formar manchas de hasta 1 ha de superficie. Otras bromelias son la Bromelia hieronymii La temperatura media anual es de 24,3 °C, pero puede bajar hasta 5 °C cuando llegan vientos fríos del sur durante la época seca. La precipitación media anual es de 1100 mm, con una época seca de mayo a octubre. Durante la época seca el 95 % de las especies del dosel pierden sus hojas. Es un patrimonio que debemos conservar para las futuras generaciones.
    4 de 100 Assinaturas
    Criado por Saúl Camacho Domínguez Picture