Skip to main content

Para: Ministério do Meio Ambiente

PELA REABERTURA IMEDIATA E URGENTE DA SEDE DO ICMBio NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ!

PELA REABERTURA IMEDIATA E URGENTE DA SEDE DO ICMBio NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ!

Instituto Chico Mendes fecha sede da Reserva Biológica do Tinguá, no estado do RJ

Recentemente, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão do Ministério do Meio Ambiente responsável pela gestão de parques e reservas do país, inexplicavelmente fechou a sede da Reserva Biológica do Tinguá, que funcionava naquela região. A gestão foi transferida para Teresópolis, distante cerca de 100 Km da região. Lá, foi criado pelo governo federal o NGI (Núcleo de Gestão Integrada), centralizando a gestão de 5 Unidades de Conservação num único local (dentre elas a Rebio-Tinguá).

Com isso, a Rebio-Tinguá não mais dispõe de fiscais presentes de forma constante e diuturna na região, ocasionando a ocorrência crescente de ataques e agressões ambientais sistemáticas, como a invasão de seu território com a construção ilegal e criminosa de propriedades privadas, o aumento do número de caçadores e da ladrões de palmito, a prática ilegal e clandestina de garimpo (atividade mineradora) na zona do entorno da Rebio-Tinguá, além da invasão da Rebio-Tinguá por grupos evangélicos para a prática de cultos religiosos no interior da mata, onde promovem desmatamento e deixando lixo, quando vão embora.

Com tudo isso, através dessa campanha, exigimos a reabertura imediata e urgente da sede administrativa da Reserva do Tinguá na região, além do reaparelhamento de sua infra-estrutura de fiscalização, com o retorno dos agentes ambientais e do pessoal qualificado para o trabalho de fiscalização florestal (analistas ambientais), viaturas e aparelhos de radiocomunicação, além do retorno de um responsável pela direção da citada Unidade de Conservação.

Infelizmente, a Rebio-Tinguá encontra-se abandonada à própria sorte, fruto do descaso e incompetência do governo federal atual, que trata o Meio Ambiente da pior maneira possível, incapaz de formular uma política pública de defesa e preservação de nossos recursos naturais.

Por que isso é importante?

A Reserva Biológica do Tinguá nasceu a partir das lutas da sociedade civil em Nova Iguaçu e na Baixada Fluminense, em razão da necessidade inadiável da preservação de seus recursos hídricos e da riqueza de sua biodiversidade endêmica de flora e fauna, apontada em estudos e pesquisas científicas. Prova disso foi a descoberta, em 1965, do menor anfíbio do mundo (o "Sapo-pulga") pelo professor e pesquisador Eugênio Izecksohn, da UFRRJ (Universidade Federal Rural do RJ).

A Reserva Biológica do Tinguá, portanto, ficou marcada como a única Unidade de Conservação Ambiental existente no país cuja criação ocorreu "de baixo para cima", a partir da vontade da população e de seus movimentos sociais organizados.

Inclusive, a Rebio-Tinguá constitui-se numa das Unidades de Conservação Federal do país mais afetadas por empreendimentos de infra-estrutura que invadem seu território, como as linhas de transmissão de energia de Furnas Centrais Elétricas, três faixas de dutos (duas de óleo e uma de gás) da Petrobras, que cortam o subsolo da floresta e que representam iminente risco de incêndios florestais e de poluição de seus lençóis freáticos subterrâneos, em caso da ocorrência de vazamento de óleo de seus dutos.

Há também no interior da Rebio-Tinguá 12 represas de captação de água administradas pela CEDAE (empresa estatal do governo do estado do RJ). Quase 80% por cento do abastecimento público de água da Baixada Fluminense dependem da Reserva Biológica do Tinguá, onde foram instalados, desde a época do Império, diversos aquedutos e represas de captação, até hoje cumprindo importante função social como bacia hidrográfica auxiliar ao Rio Guandu, que também recebe as águas do Rio Paraíba do Sul.

Todas as empresas citadas acima (Furnas, Petrobras e CEDAE) fazem uso do território da Reserva do Tinguá (espaço aéreo e subsolo) e não repassam um centavo sequer para fins de compensação ambiental em favor de sua preservação, tendo em vista a riqueza e a fragilidade de sua biodiversidade, com muitas espécies de flora e fauna ameaçadas de extinção e diversas outras ainda desconhecidas pela Ciência.

Um completo absurdo e um verdadeiro descaso!

Há também um aterro sanitário funcionando numa área do entorno da referida Unidade de Conservação, no bairro iguaçuano de Adrianópolis (zona de amortecimento da Rebio-Tinguá), além da proximidade com a REDUC - Refinaria Duque de Caxias. Tais fatores, associados ao efeito de borda e à crescente urbanização no entorno, resultam em distúrbios ecológicos causadores da perda da rica biodiversidade na região.

Para demonstrar a importância e grandeza daquela região, a UNESCO (órgão das Nações Unidas) classificou, em 1993, a Reserva Biológica do Tinguá como Patrimônio Natural da Humanidade, na categoria de Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, em razão do potencial de seus recursos hídricos e de sua biodiversidade de flora e fauna.
PELA REABERTURA IMEDIATA E URGENTE DA SEDE DO INSTITUTO CHICO MENDES NA REGIÃO DA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ!

Categoria


Motivos para assinar

  • Devemos lutar para a defesa e conservação ambiental,por isso qualquer cidadão que tenha amor a vida,deve assinar! Sem a natureza, não existe humanidade!

Atualizações

2021-05-28 15:00:23 -0300

50assinaturas alcançadas

2021-05-26 14:38:12 -0300

25assinaturas alcançadas

2021-05-23 10:19:41 -0300

10assinaturas alcançadas